07 de março de 2017 09:24

Além dos números

“Não trabalho para ganhar dinheiro. Ganho dinheiro com o meu trabalho.”

Por Redação

“Não trabalho para ganhar dinheiro.
Ganho dinheiro com o meu trabalho.”
(J. R. Duran)

Você ingressa em uma empresa e já tem que fornecer o número do CPF, RG e PIS.

Entregam a você um crachá numerado, um ramal direto e sua posição relativa na estrutura hierárquica. De embrulho, normas de conduta e metas para serem atingidas.

O tempo passa e seu entusiasmo vai se dissipando. A palavra “entusiasmo” vem do grego enthousiasmós e significa “êxtase”. Os antigos a usavam para representar também arrebatamento e inspiração divina. Numa tradução literal, “ter Deus dentro de si”. É por isso que, quando perdemos o entusiasmo, perdemos tudo.

Você olha pela janela e enxerga uma legião de ambulantes pela rua. Gente trabalhando na informalidade, vendendo todo tipo de quinquilharias de procedência questionável, à espera de um cliente – ou de uma batida da fiscalização.

Os jornais revelam elevação na taxa de desemprego e redução do número de carteiras de trabalho assinadas. A Economia está retraída. Os juros, na estratosfera. A inflação parece controlada só nos índices divulgados pelos institutos de pesquisa, porque a cada semana você tem a impressão, ou a certeza, de comprar menos com a mesma quantia.

Números. Números preocupantes que prenunciam a insegurança e, não raro, a desesperança.

Você encontra um colega de infância. Formou-se em Engenharia, mas hoje comanda um quiosque de sucos naturais. Ele comenta com orgulho: “Sou o engenheiro que virou suco”. Outro conhecido, advogado bem conceituado, desfila melodias nas noites, nebulosas ou estreladas, a partir de seu saxofone. “Ganho menos, mas sou feliz”, garante.

Todos precisamos de trabalho para atender às necessidades mais básicas. Quando aprendemos a gostar do que fazemos e nos identificamos com nossa atividade, podemos buscar o aprimoramento, tornando-nos profissionais e construindo uma carreira. Mas só aquele que ouve o “chamado”, ou seja, sua vocação, chega à autorrealização, cumprindo sua missão de vida.

Quando você atinge este estágio, números tornam-se apenas… números. O quanto você ganha passa a ser uma consequência. O quanto você trabalha passa a ser irrelevante. A criatividade floresce, o estresse não encontra morada, a autoestima é permanentemente alimentada. Você não executa, realiza. A segunda-feira tem sabor de happy hour. Trabalhar vira uma grande curtição!

 

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*