10 de dezembro de 2010 04:23

Pode ser?

Por Débora Carvalho

Recentemente tem sido veiculado um comercial de bebida gasosa que apresenta um interessante conceito para quando as coisas não saem exatamente do jeito que a gente quer, mostrando que a alternativa que não pensamos inicialmente pode ser bem melhor.


A primeira vez que vi o filme do comercial me lembrei logo de um amigo que não gostava nem um pouco quando solicitava Coca-Cola e o garçom respondia: “Pode ser Pepsi?” – Não, não pode ser Pepsi. Se eu quisesse Pepsi teria pedido Pepsi, retrucava irritado.


Mas o filme utilizou justamente essa frase dos garçons de todos os estabelecimentos alimentícios que oferecem Pepsi – e onde há Pepsi não entra Coca-Cola. Parece até que são todos treinados para falar do mesmo jeito.


Até o comercial, a tal frase tinha uma conotação que parecia inferiorizava a marca ou o produto. Mas agora o “Pode ser Pepsi?” se transformou em algo positivo, agregando valor ao remeter ao conceito de que se algo bom não acontece, pode ser que aconteça algo melhor ainda. Quase como você chegar da faculdade morrendo de fome, e pergunta pra sua mãe se sobrou algum pacotinho de miojo. E ela responde: – Pode ser uma lasanha de brócolis?


É. Pode ser. Claro que pode. E isso é bem melhor do que: Ah, que vontade de comer uma massa italiana, um nhoque aos quatro queijos! Mas só tem macarrão instantâneo.


Se a gente refletir bem, vai perceber que muitas vezes a segunda opção realmente pode ser mais vantajosa. Não é bom sermos inflexíveis ao ponto de não aceitar experimentar outras opções, ou mergulharmos num mar de frustrações só porque não conseguimos exatamente o que queríamos.


Pode ser que agora não seja o momento certo da moça se casar, porque daqui há um ano esse sujeito vai parar de beber socialmente, como parece que bebe, e se transformar num bebum. E pode ser que aquele seu vizinho que você despreza só porque ele ainda não tem carro e vive só estudando, embora até tenha alguma atração por ele, se você não estivesse noiva desse futuro alcoólatra, te pedirá em casamento assim que conseguir um trabalho numa multinacional, como diretor de projetos com um salário inimaginável, enquanto o marido problemático seja demitido por causa da bebida.


Pode ser que a empresa da qual você acabou de ser demitido tenha feito para você um favor, pois não fosse isso, seu novo patrão jamais teria recebido seu currículo para que pudesse te dar o cargo de gerente no emprego dos seus sonhos, com remuneração melhor do que você mesmo achava que merecia, e com a autonomia e a possibilidade de desenvolvimento que você sempre quis, e não sabia que era capaz – mas o seu novo chefe sim, conseguiu enxergar.


Me lembro de uma história – exagerada, mas interessante – que ilustra como uma coisa que acontece agora não pode ser julgada como boa ou ruim no momento em que acontece, mas sim, com o que acontece depois.


Um jovem encontrou um cavalo perdido, com a pata machucada. Levou o animal para seu estaleiro, tratou dele e resolveu montá-lo. Muito feliz, achou que era o melhor presente que já recebera. Caiu, quebrou o braço. O pai disse: Se não fosse esse cavalo selvagem, você não teria quebrado o braço. Agora estou aqui precisando de ajuda e você, de molho. Então, alguns dias depois, chega uma convocação para alistamento de todos os homens das famílias, para uma guerra que estourou na região. O jovem fora dispensado por causa do braço quebrado. O pai ficou muito feliz porque o filho poderia ficar em casa com as mulheres da família. “Que bênção esse seu braço quebrado!”


É. Pode ser que a perda de hoje seja um ganho maior no futuro. O que a vida nos reserva pode ser muito melhor do que aquilo que desejamos.


Em época de reflexões de final e início de ano, que tal deixarmos de ser tão bitolados, parar de nos entregar às frustrações da vida e deixar que o que há de melhor nos alcance?


Pode ser que perdoar seja melhor do que fazer fulano pagar por todo o mal que te fez.


Pode ser que uma alimentação mais natural, até mesmo a vegetariana, traga mais saúde e energia e seja mais saborosa do que você jamais imaginou.


Pode ser que frequentar uma igreja seja melhor do que ficar em casa assistindo televisão o sábado inteiro.


Pode ser que aquele garoto seja o homem dos seus sonhos se você der uma chance pra ele e parar de sair com os caras errados.


Pode ser que desligar a televisão seja mais prazeroso e mostre um universo de possibilidades de vida que você jamais imaginou.


Pode ser que lasanha de brócolis seja mais saborosa e nutritiva do que um simples miojo.


A vida pode ser muito melhor, se a gente abrir o coração para novas possibilidades, para um novo tempo, uma nova atitude, uma nova experiência. É só abrir o coração.


Pode ser que você seja melhor do que essa Coca-Cola toda.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*