02 de janeiro de 2017 17:16

AM: secretário fala sobre rebelião em presídio

Motim deixou pelo menos 60 mortos

Por Redação

Ao visitar o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde 60 pessoas morreram durante uma rebelião que durou cerca de 17 horas, o secretário estadual de Administração Penitenciária Pedro Florêncio encontrou pilhas de corpos nesta segunda-feira (2).

Os corpos serão armazenados em um contêiner, porque o Instituto Médico Legal (IML) da capital amazonense não tem capacidade para receber todos os mortos.

Segundo Florêncio, o presídio não sofreu depredações, mas é possível encontrar sangue espalhado pelos corredores. “O presídio em si estava normal. O que causou espanto foram os corpos amontoados em pilhas. Tive uma sensação de frustração, perplexidade e de ver até que ponto chega o ser humano, [para] matar o outro”, contou.

O número de foragidos da Compaj ainda não foi contabilizado.

Esse é o segundo maior massacre registrado no sistema prisional do Amazonas.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*