15 de março de 2013 16:20

Ameaçado por demissão, Brizola Neto confessa existir “guerra de poder” no Planalto

O ainda ministro do Trabalho deve ser substituído hoje (15)

Por Leonardo Simões

Ao assumir a pasta dos Transportes em maio do ano passado, Brizola Neto era tido como “cota pessoal” de Dilma. Agora, no viés de uma reforma ministerial, seu nome foi implodido pelo presidente do PDT, Carlos Lupi, e não hesitou em confessar que há uma verdadeira “guerra de poder” nos bastidores do Planalto.

Brizola Neto tem a aprovação de Dilma, mas a ameça do PDT de romper a base do governo e se aliar ao PSD ou PSDB, fez a presidente reorganizar, forçosamente, as prateleiras do gabinete. O provável substituto de Neto é o deputado Manoel Dias, aliado de Lupi.

Se na teoria Brizola defende a governabilidade, por fora suas falas entregam o que se faz para mantê-la. “Quando eles vão à presidente dizer que querem indicar outro presidente, outro ministro, precisam do diretório para fazer isso. Eles usurpam o poder do diretório”, disse.

Aliás, ele critica diretamente a legenda por se acomodar ao comando de Lupi. “Pela inércia da maioria dos dirigentes, Lupi se apropriou da burocracia partidária”.

Lupi se defende do apego ao cargo com um ditado irônico. “Sou igual massa de pão, quanto mais bate mais cresce”.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*