21 de março de 2017 13:00

Brasil estaciona no ranking de desenvolvimento humano

País manteve mesmo patamar entre 2014 e 2015

Por Redação

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) anunciou nesta terça-feira (21) o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH), e o Brasil se manteve no 79º lugar no ranking que abrange 188 países, do mais ao menos desenvolvido.

Segundo os dados, esta foi a primeira vez desde 2010 que o IDH do Brasil se manteve no mesmo patamar. A queda no rendimento bruto nacional em 2015 fez com que o índice de desenvolvimento humano no Brasil estagnasse, apesar da pequena melhora em indicadores como expectativa de vida e escolaridade.

O resultado é fruto do cruzamento de dados de vários organismos nacionais e internacionais. Quanto mais próximo de 1 ponto, melhor a colocação na tabela, que há anos é liderada pela Noruega, país escandinavo que, entre 2014 e 2015, passou de 0,944 ponto para 0,949 ponto, o que o coloca à frente dos outros 50 países que o Pnud classifica como de desenvolvimento humano muito alto – e entre os quais só há dois latino-americanos: Chile (38ª posição no ranking) e Argentina (45ª).

Já o Brasil faz parte do grupo de 55 países considerados de alto desenvolvimento humano. Na América Latina e Caribe, além de Chile e Argentina, o Brasil fica atrás de Barbados e do Uruguai (empatados na 54ª posição); Bahamas (58); Panamá (60); Antígua e Barbuda (62); Trinidad e Tobago (65); Costa Rica (66); Cuba (68); Venezuela (71) e México (77). Atrás do Brasil, mas ainda entre os países e territórios latino-americanos de alto desenvolvimento humano, estão Peru (87); Equador (89); Santa Lúcia (92), Jamaica (94); Colômbia (95); Suriname (97); República Dominicana (99); São Vicente e Granadinas (99) e Belize (103). As demais nações latino-americanas como Paraguai (110), El Salvador (117) ou Bolívia (118) figuram entre os grupos de médio ou baixo IDH.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*