27 de setembro de 2012 02:59

Procuradoria arquiva investigação envolvendo Lula e Gilmar Mendes

Mendes teria acusado Lula de tentar postergar o julgamento do mensal

Por Edvaldo Júnior

Foi pedido pela Procuradoria da República no Distrito Federal, o arquivamento da investigação criminal sobre a suposta tentativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de pressionar o ministro Gilmar Mendes para postergar o julgamento do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal).

Parlamentares da oposição exigiram a apuração – que foi aberta em maio – assegurados do argumento de que Lula tinha cometido os crimes de coação no curso do processo, tráfico de influência e corrupção ativa.

O argumento também ganhou força por conta da reportagem da revista “Veja”, que publicou que Lula ofereceu, em troca da ajuda para atrasar o julgamento, blindagem política para o ministro do STF na CPI do Cachoeira – o nome do magistrado chegou a ser citado em gravações feitas pela Polícia Federal durante investigações que basearam a abertura da comissão de inquérito.

Mendes nega qualquer envolvimento com o grupo do empresário Carlinhos Cachoeira.

Já o ex-presidente Lula, diferentemente do ministro, repudiou o teor da reportagem da “Veja” e, em nota à época, se disse indignado com a suspeita.

Após abrir a investigação, o Ministério Público fez dois pedidos de informação a Mendes, mas nenhum foi respondido. Por isso, foram analisadas entrevistas dadas por ele à imprensa sobre o caso.

Mas a partir delas o “Ministério Público não detectou um pedido específico de Lula no sentido de ver adiado o julgamento do mensalão”, segundo a assessoria da Procuradoria.

Ouvido, Nelson Jobim, ex-membro do STF e ex-ministro da Defesa, confirmou que testemunhou a conversa entre Lula e Mendes citada pela “Veja”, mas, como já havia feito antes, negou que tenha ocorrido a suposta oferta do ex-presidente.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*