19 de agosto de 2014 14:40

Brasil avança nas questões sobre energia solar

País se estrutura para ampliar matriz energética de forma definitiva

Por Edvaldo Júnior

Mesmo que tardiamente, o Brasil começa a dar passos consistentes no sentido da diversificação de sua matriz energética e em prol da energia solar fotovoltaica. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou as condições de apoio financeiro para os vencedores do primeiro leilão de reserva de geração de energia elétrica a partir da luz solar, previsto para 31 de outubro próximo.

O empréstimo será concedido a empresas com sede e administração no Brasil, tanto de capital nacional como estrangeiro, e a pessoas jurídicas de direito público. Poderão se candidatar os projetos ganhadores do leilão que incluam um maior número de equipamentos fabricados no país, e com a nacionalização progressiva de componentes e processos específicos ao longo do período de implementação do plano.

O leilão de reserva é aguardado com ansiedade pelo setor elétrico. Será a primeira vez em que a energia solar não competirá com outras fontes num certame federal, ampliando a chance de sucesso dos projetos. Também participam usinas eólicas e à biomassa de resíduos, porém em produtos separados.

Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Cerca de 400 usinas, com capacidade instalada de 10.790 MW vão participar do leilão. O número de projetos fotovoltaicos (400) totalizam mais de 10 mil megawatts de capacidade instalada, ou seja, praticamente uma (Usina Hidrelétrica) de Belo Monte. Projetos de geração solar fotovoltaica cadastrados para participar do Leilão de Energia de Reserva de 2014:

  • Bahia – 161 projetos (4.334MW)
  • Piauí – 45 projetos (1.231MW)
  • Pernambuco – 43 projetos (1.152MW)
  • Rio Grande do Norte – 42 projetos (1.155MW)
  • São Paulo – 26 projetos (788MW)
  • Paraíba – 25 projetos (653MW)
  • Tocantins – 21 projetos (590MW)
  • Minas Gerais – 17 projetos (507MW)
  • Ceará – 15 projetos (324MW)
  • Goiás – 4 projetos (35MW)
  • Mato Grosso do Sul – 1 projeto (20MW) 

Energia fotovoltaica no Brasil e nas Américas

No Brasil 85% da energia elétrica consumida, vem de fontes renováveis. As hidrelétricas representam 77% desse total, de acordo com o Ministério de Minas e Energia. Hoje, para que se evitem os chamados apagões, o Brasil se engaja no processo de diversificação da matriz energética, altamente dependente das hidroelétricas e, em casos de emergência, das termelétricas. A captação de energia solar fotovoltaica e termossolar é uma oportunidade para o país que tem características geográficas favoráveis – o país é banhado pelo sol praticamente o ano todo.

Desde 2011, o Ceará conta com a primeira usina de 1MWh de energia fotovoltaica, localizado na cidade de Tauá, no interior do estado. O projeto, criado pela iniciativa privada e apoiado pelo governo local, no entanto, ainda aguarda a efetivação de um fundo que irá subsidiar a venda de energia gerada pela usina.

Em 2012, o país regulamentou um desconto de 80% nas tarifas de transmissão e distribuição para projetos de energia solar em grande escala. No mesmo ano, foi instituído o sistema de compensação de energia elétrica para incentivar o mercado de geração distribuída, estratégico para o setor solar.

Já Pernambuco, no final de 2013, realizou o primeiro leilão de energia solar no país. Na ocasião, o governo local contratou 122,8 megawatts de energia oriundas do sol, com um preço médio negociado de R$ 228,63 por MWh.

Este ano, o governo do Estado de São Paulo isentou do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) bens e equipamentos usados na geração de energia por meio de fontes renováveis, incluindo energia solar. Com esta medida, o Governo Paulista pretende atingir 69% de participação de fontes renováveis em sua matriz energética até 2020.

Os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Goiás, Tocantins e Piauí, que possuem grande potencial para a rápida disseminação da energia solar – em função da elevada tarifa de energia elétrica e a grande incidência de sol durante todo o ano – também englobam a lista de localidades onde a questão já é trabalhada de forma mais intensa.

Pelas dimensões do mercado interno, o Brasil desponta como o país da América Latina com a melhor perspectiva para esse segmento no longo prazo. Já no curto prazo, o destaque fica para o Chile, que por muito tempo foi o centro das atenções como novo mercado de energia fotovoltaica e avança cada vez mais em seu potencial. A combinação de aumento no preço da eletricidade, com setores representativos demandantes de eletricidade e com excelentes recursos solares estimula o crescimento do mercado fotovoltaico nessa região.

O México, por sua vez, tornou-se um mercado promissor em energia solar, com grandes projetos de 300 MWh em construção. Semelhante ao Chile, o México tem entraves específicos sobre a rede elétrica e a energia solar é competitiva em mercados spot. O país também conta com contratos externos de fornecimento de energia, o que acirra a competição, assim como os investimentos do país em energia eólica.

Brasil sedia o maior evento do setor na América do Sul

Com o intuito de promover e estimular as tecnologias e ampliar as aplicações desse tipo de geração de energia no país, será realizada em São Paulo a exposição e conferência Intersolar South America. O evento, que será realizado nos dias 26, 27 e 28 de agosto, no Expo Center Norte, tem foco nas áreas de energia fotovoltaica, tecnologias de produção FV, armazenamento de energia e tecnologias termossolares.

Um total de 64 expositores e 2.288 visitantes profissionais participaram da primeira Intersolar South America, em 2013. Ao todo, 60 palestrantes e 459 participantes discutiram temas atuais do setor e lançaram luz sobre as condições em torno do desenvolvimento tecnológico, de mercado e de políticas na conferência subsequente. “A Intersolar é uma referência mundial em eventos para o setor e o Brasil, com seu potencial de crescimento nesse mercado, será mais uma vez a sede das principais discussões do setor na América do Sul”, afirma Mônica Carpenter, diretora da Aranda Eventos, empresa que organiza o evento.

Assim como na edição de 2013, a Intersolar South America contará com um ambiente de conferências, com participantes de várias partes do mundo nos segmentos de desenvolvimento de projetos, instalação de sistemas, fabricação de células e módulos fotovoltaicos. Os temas em discussão serão norteados por dois assuntos centrais: Energia Solar Fotovoltaica e Aquecimento e Resfriamento Solar.

Serviço: Intersolar South America

Data: 26-28 de Agosto de 2014

Horário Exposição: 12h às 20h

Horário Congresso: 26/08, 11h às 17/30 – 27 e 28/08, das 9h às 15h30

Local: Expo Center Norte – São Paulo – SP

Mais informações: http://www.intersolar.net.br/pt/intersolar-south-america.html

Fonte: M. Free  

 

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*