05 de agosto de 2014 11:32

Venda de veículos cai novamente em julho

Especialista analisa se é melhor hora de comprar

Por Edvaldo Júnior

Seguindo o que ocorreu no primeiro semestre, as vendas de veículos novos no Brasil caíram em 14% no mês de julho, comparado com o mesmo período de 2013, assim, atingiu o menor nível desde 2009, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). No acumulado de janeiro a julho, os emplacamentos de veículos no Brasil têm queda de 8,6%.

A questão que fica: chegou a hora de comprar esse bem? De acordo com o educador financeiro Reinaldo Domingos, o momento é positivo. “com muitas promoções e com o Governo mantendo o IPI mais baixo até o fim do ano, buscando aquecer a indústria, assim afirmo para quem tem condições esse é o momento. Podendo aproveitar para melhor negociar essa compra, pois os pátios das fábricas estão abarrotados e com as vendas de automóveis em queda o poder de argumentação é muito maior”. Afirma.

Ainda segundo Domingos, negociar é uma questão de educação financeira. “Faz parte da educação financeira saber negociar e aproveitar promoções, todavia, também faz parte uma visão ampla dos impactos que essa compra terá nas finanças nos próximos meses. O grande problema que observo é que a maioria dos consumidores só pensa nos valores da compra do veículo e das prestações que pagará mensalmente, esquecendo que isso ocasionará diversos outros custos, como despesas de manutenção, combustível, manutenção, IPVA, seguros, licenciamento, lavagens e, até mesmo, possíveis multas.”

Em média, o custo mensal equivale, em média, a 3% do valor do carro, assim, manutenção de um veículo de 20 mil reais, por exemplo, tem um custo de aproximadamente 600 reais mensais.

Reinaldo Domingos enfatiza que para saber o momento certo de adquirir um veículo é preciso descobrir em que situação financeira o consumidor se encontra. Para isso, ele classifica em três grupos a situação das finanças pessoais: os endividados, os equilibrados financeiramente e os poupadores, e cada um desses grupos devem tratar a compra de formas diferentes.

Os endividados não devem nem pensar em comprar um veículo nesse momento, a prioridade deve ser sair das dívidas e um custo a mais em seu orçamento é praticamente assinar o certificado de falência financeira. A prioridade no momento deve ser resolver os problemas com finanças pessoais, reduzindo gastos desnecessários e caso tenha o sonho de ter um veículo, este deve ser planejado em um prazo longo de tempo, quando, além do fim das dívidas, essa pessoa já tenha feito uma poupança que dará a garantida de que pode comprar com reservas para os gastos extras que terá.

Os equilibrados financeiramente também preocupam, pois, por não possuírem dívidas pensam que essa é hora de “investir” em um novo veículo ou em trocar o que já possui, agindo por impulso. Mas, não percebem que não possuem dinheiro em caixa para comprar à vista e que para um financiamento longo é necessário planejamento. Tornando esta compra o grande passo para sair do equilíbrio financeiro, se tornando endividado. Sem contar que se esquece do valor de manutenção que este veículo acrescentará em seu orçamento financeiro.

O consumidor equilibrado deve refletir sobre se realmente quer esse bem de consumo, e caso a resposta seja positiva, iniciar imediatamente uma poupança, que terá como objetivo a troca, nunca se esquecendo dos gastos extras.

Para os poupadores o momento é de análise, tendo que refletir se é realmente necessário um novo veículo, se for e tiver dinheiro para compra a vista, essa é uma boa hora. Se faltar alguma quantia que terá que financiar, pode até fazer, mas, cuidado para que a parcela caiba em seu orçamento mensal e que também tenha dinheiro para os gastos de manutenção.

Caso a pessoa já possua um veículo e queira outro, terá que refletir quais as vantagens de um novo carro e se os gastos de dois veículos não são arriscados. Sempre reforço que um veículo não é investimento, em função de sua rápida desvalorização. O consumo de bens deve sempre estar associado a reais necessidades e não a impulsos consumistas do momento.

Fonte: DSOP

*Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Editora DSOP, autor do best seller Terapia Financeira e dos lançamentos Sabedoria Financeira e Papo Empreendedor.

 

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*